Como Vestir-se em Locais Frios

Como Vestir-se em Locais Frios

Publicado no Boletim CNM JUN/2013

Para as atividades de montanha e esportes ao ar livre, o ideal é vestir-se de maneira correta e mais versátil possível. Em climas frios, necessitamos proteger o corpo contra o frio, vento, umidade e outras intempéries. A melhor maneira de se vestir para atividades ao ar livre é o sistema de camadas. A arte é o de encontrar uma boa mistura entre as diferentes camadas que compõem este tipo conjunto protetor.

Basicamente, existem três principais camadas, mas poderá aumentar para cinco ou até seis, dependendo do tipo de atividade e ou clima de onde será utilizada. Com o grande avanço tecnológico dos tecidos, existe no mercado uma grande gama de produtos, mas tentaremos simplificar ao máximo as possíveis combinações.

1ª CAMADA – ROUPA INTERIOR (SEGUNDA PELE) – UNDERWEAR E BASE LAYER

primeira-camada

É a camada que estará em contato com a pele, cuja função é transferir a umidade do suor pra fora, mantendo o corpo o mais seco possível. Esta capa deve ser de tecido de rápida secagem. Os materiais mais utilizados são o polipropileno e poliéster. Os mais avançados utilizam o sistema e Power Dry® (Polartec).

Base Layer – Drenar o suor e manter a pele seca, tem a função de regular e manter a temperatura corporal;

Underwear Polar – Além de drenar o suor e manter a pele seca, ajudam a aquecer o corpo.

2ª CAMADA – ROUPA INTERMEDIÁRIA – POLAR

segunda-camada

Esta segunda camada é a responsável de manter o calor corporal. Existem vários tipos de tecido. O mais comum é o fleece, que também é chamado de pile. Atualmente é possível encontrar uma grande variedade de tecidos e composições, que entre si, são altamente diferentes no quesito aquecimento e resistência a vento.

3ª CAMADA – CAPA EXTERNA IMPERMEÁVEL – ANORAK

terceira-camada

A terceira camada impermeável ou camada externa, serve para proteger contra o vento e água. Existem vários tipos de materiais, composições e tipos de shell (composição da camada externa de tecido do conjunto do anorak). O anorak é a peça chave de todo conjunto. Não adianta economizar na compra. É muito importante ficar atento a qual tipo de membrana é utilizado no modelo escolhido.

EM CASOS DE FRIO EXTREMO

Em casos excepcionais de frio extremo (-10ºc pra baixo) pode-se utilizar um casaco com isolamento de fibra ou pluma de ganso. Em general pode-se dizer que um casaco de pluma é mais conveniente para expedições de inverno a locais muito frios e secos, mas para uso geral, é mais recomendável um casaco de fibra sintética.

Considerações finais:

  • As peças acima citadas, não são somente para a parte superior do corpo (tórax), o sistema de combinação de camadas para as pernas é o mesmo sistema utilizado no tórax. Não esquecer dos pés, que devem ter cuidados especial, pois são pontos de troca de calor;
  • Em atividade física, o indivíduo poderá alternar e retirar ou não alguma das camadas, pois quando estamos em atividade, o corpo pode sobreaquecer e será preciso maior eliminação de vapor de suor. Então… Se começar a suar muito, melhor ir retirando as camadas superiores até regular melhor a temperatura corporal;
  • A tecnologia dos tecidos deve ser levada em conta pra escolha de gorros, cachecóis e luvas, mas não necessariamente será preciso a combinação de camadas para essas peças, tendo em vista que muitos desses equipamentos, são vendidos completamente prontos para uso solo (sem necessidade de complementos);
  • Apesar de no Brasil não termos casos de congelamento de extremidades como nos Andes, vale a pena utilizar as 3 camadas para regiões frias como Itatiaia, Caparaó e mesmo na Serra dos Órgãos no inverno, que para um carioca são bem frias!. Uma noite mal dormida é muito desgastante.

Fonte: http://www.mochileiros.com/como-vestir-se-em-locais-frios-sistema-de-camadas-anorak-fleece-underwear-t32962.html

Acesso às Montanhas Fluminense

Acesso às Montanhas Fluminense

Publicado no Boletim CNM MAR/2013

O município conta, de forma resumida, com três serras principais: a Serra da Tiririca, os morros do Jacaré, Cantagalo e Serra do Malheiro e o Complexo dos morros da Viração, Santo Inácio e Sapezal.

Com estas três serras e as outras formações menores, o Município possui um potencial enorme para o porte de aventura, com visuais incríveis e formações interessantíssimas, mas infelizmente, apesar do potencial, hoje o montanhismo está quase que restrito a Serra da Tiririca.

O motivo é simples e trágico, sendo simplesmente a ingerência sobre nossas áreas verdes.

A Serra da Tiririca, com a criação do Parque Estadual de Serra da Tiririca, contou com a proteção do Estado, que permitiu que esta área continuasse segura quanto à violência urbana, e que o acesso a para a maioria de suas trilhas e paredes não fosse cercada por muros e casas, embora mesmo assim tenhamos tido perdas, são elas:

  • Trilha do Alto do Mourão via o Recanto de Itaipuaçú (fechada pelo condomínio Ubá Pedra do Elefante);

No Morro das Andorinhas, houve duas perdas:

  • Trilha da praia de Itaipu para o Morro das Andorinhas (fechada na década de 90 por uma construção ilegal);
  • Trilha da Praia de Itacoatiara para o Morro das Andorinhas, com o fechamento da Rua das Orquídeas (anos 80) e construção do Condomínio Village Itacoatiara (anos 90).

Já os morros do Cantagalo, Jacaré e Serra do Malheiro, tiveram grande redução de sua cobertura florestal, mas o acesso em si à suas trilhas não foi cerceado diretamente, exceto pelo fato que o crescimento da Favela do Cantagalo trouxe violência à região e com isso, houve alguns assaltos a pessoas que acessaram o Morro do Cantagalo. Por consequência, o ponto culminante dessa serra, com 405 metros de altitude, deixou de ser frequentado por montanhistas e escaladores. Mas atualmente, com a anexação dessa região ao Parque Estadual da Serra da Tiririca, podemos ter esperanças de ver essa região acessível novamente.

Os morros do Santo Inácio, Viração e Sapezal são o caso mais grave, pois não estão protegidos por leis específicas, tendo ocorrido desmatamentos pelas suas bordas e um aumento exponencial da violência contra frequentadores da montanha (assaltos à mão armada). Neste complexo, tivemos as maiores perdas de acesso, que são:

  • Acesso à trilha tradicional ao Morro do Santo Inácio via Rua Manuel Duarte, em São Francisco (a rua foi fechada por moradores e o final desta foi cercado por uma cerca eletrificada, devido à violência urbana);
  • Três trilhas que davam acesso de São Francisco ao bairro de Piratininga e Cafubá (construções de casa nas saídas);
  • A travessia São Francisco X Jurujuba;
  • Acesso à face norte do Morro do Santo Inácio, às vias de escalada ali existente e ao enorme potencial de conquistas de vias nesta parede de 250 metros de comprimento (construções de casas em praticamente todos os terrenos da Rua Mário Joaquim Santana, embora recentemente descobrisse um acesso por uma vila, ao fim dessa rua, a essa parede);
  • Acesso à parede sul/sudeste do morro do Santo Inácio, que hoje se encontra cercada pela favela do Maceió.

Em áreas fora destas serras, é possível a prática de esportes de montanha, como a região da Praia do Sossego, com ótimos bolders e o final da prainha de Piratininga, com um bom potencial para bolders, embora quase que inexplorado.

Tivemos também a criação e perda com o campo-escola do Centro, próximo à prefeitura nova (Rua São Pedro), criado no fim dos anos 90 com três vias, mas onde a prefeitura no inicio de 2000 fez uma construção e colocou grades lá, inviabilizando o uso da mesma.

Um outro local que temos uma certa dificuldade de acesso é o Morro do Morcego. Para acessar a Face Sul, temos que pedir permissão para entrar por uma casa, e dependemos do bom humor do morador, que se começarmos a aumentar a frequência, ele nega a entrada e somos obrigados pegar um grande vara mato a partir da praia de Adão. Na Face Norte, temos grande dificuldade se quisermos chegar por mar, houve casos em que um escalador foi ameaçado enquanto trabalhava na abertura de uma via, ficando impossibilitado de voltar, visto que foram soltos cachorros para impedir que ele retornasse.

De forma geral, infelizmente, as áreas que não se encontram protegidas sobre legislação ambiental específica (Unidades de Conservação) foram as que mais perderam sua cobertura florestal, e foram onde mais perdemos acesso às florestas e rochas.

O município, em suas gestões anteriores, não salvaguardou as florestas e os acessos às mesmas, em verdade, tratou-as como áreas para futuras construções, e não áreas para se preservar os ecossistemas, o lazer e o modo de vida dos frequentadores destas regiões niteroienses.

Salvo a região do Parque Estadual da Serra da Tiririca, as outras serras fluminenses se encontram em uma situação crítica, porém, reversível nos quesitos proteção e acesso.

Vamos torcer (e pressionar!) para que a gestão atual da Prefeitura de Niterói possa salvaguardar nossas belas montanhas.

Pico do Papagaio – Via Aresta do Xilindró – Ilha Grande RJ

Pico do Papagaio – Via Aresta do Xilindró – Ilha Grande RJ

Publicado no Boletim 2013-1

Local: Ilha Grande – RJ

Via Aresta do Xilindró – 3º IVsup E2 55m

Conquistadores: André Ilha, Lucia Duarte, Marcos da Silveira

Ano: 1984

Croqui: http://www.carioca.org.br/croqui/croqui-femerj.psp?0519

Trilha: T13 – 6km (somente ida)

Nível: Pesada

Participantes: Leandro do Carmo, Leonardo Carmo, Paulo Guerra e Clayton Mangabeira

Dicas: Caminhada de aproximação pesada, total de 6km (somente ida) conforme informação nas placas de sinalização; encontra-se água no caminho, com mais ou menos 2 horas de subida (num ritmo bom); a via é bem suja e usa-se aderência em alguns lances; se estiver chovendo ou muito nublado, a via fica muito molhada, principalmente nos últimos lances; faz-se cume também por caminhada.

Ilha Grande… Dispensa comentários… Foi um final de semana fantástico. Fazer o Pico do Papagaio já estava na minha lista desde a última vez que estive lá, há uns 3 anos… Já havia programado tudo, só faltava a oportunidade. Fui conversando com uns amigos  e decidi que faria no primeiro final de semana de dezembro. Com um mês de antecedência, já estava divulgando a aventura. Como era um final de semana inteiro, achei que fosse difícil arrumar companheiros… Engano meu! Logo já estavam fechados: Guilherme, Leonardo, Paulo, Ary e Clayton.

Uma semana antes, o Guilherme avisou que não poderia ir, mas sem problemas. Tocamos o projeto para frente. Na semana da viagem, combinamos tudo direitinho e ajustamos os detalhes finais. Marcamos para sair na sexta, as 13h e o Ary iria mais tarde de ônibus. Na sexta, após um pequeno atraso, saímos de Niterói, por volta das 14:00h. No caminho, pegamos um trânsito pesado na Av. Brasil. O calor era de mais! Mas nada que pudesse desanimar!!!! Paramos no caminho para lanchar e esperar o Clayton sacar dinheiro, que por, sinal já foi a primeira aventura dele… O Cara tentou em um monte de caixa eletrônico, bloqueou o cartão, quase chorou e ficou reclamando a viagem inteira!!!! rs. Às 17:15, já estávamos no estacionamento, em frente ao cais de Conceição de Jacareí. O próximo barco sairia as 18:45. Compramos a passagem e fomos esperar na praia, isso tudo com o Clayton falando do cartão…rs

Eram 18:00, quando recebi uma mensagem do Ary dizendo que ainda estava na ponte e não chegaria a tempo de pegar o ônibus na rodoviária. Infelizmente menos um… Não podíamos desanimar… rs. Às 18:45, o barco chegou ao cais e embarcamos rumo a ilha. Foi mais ou menos uma hora de navegação. O mar estava um pouco mexido e só melhorou depois que entramos na enseada de Abrahão. Desembarcamos e fomos direto para o camping. Armamos as barracas e demos uma volta pela vila até achar um lugar para comer.

Antes de dormir, decidimos a hora que iríamos sair no dia seguinte, isso seria fundamental para não acontecer atrasos. Deixamos tudo arrumado. No sábado, às 06 da manhã, estávamos todos de pé. A galera estava animada!!!! Fomos até uma padaria, tomamos café e partimos para a caminhada. O tempo estava meio encoberto e o Pico do Papagaio completamente escondido não dava o ar da graça. Mas se chovesse, só a trilha já compensaria… Entramos na estrada que vai para Dois Rios e começamos a subir. Depois de 25 minutos, já estávamos no começo da trilha, muito bem sinalizada, por sinal.

No caminho, encontramos dois que pareciam esperar por alguém. Assim que entramos na trilha, eles vieram nos acompanhando. Começamos a subir, estávamos num ritmo bom, com certeza faríamos em menos de 3h30min, tempo descrito na placa de informação. Pensei que os cachorros fossem descer a qualquer momento, mas eles continuaram subindo com a gente e quando parávamos para descansar, eles paravam também e se já estivessem mais acima, eles voltavam para ver o que tinha acontecido, caso demorássemos um pouco. Tínhamos dois guias!!!! Com 1h30min, encontramos água corrente, uma nascente com água bem gelada. Paramos para nos refrescar e descansar um pouco.

Em todo o percurso escutávamos o barulho dos macacos bugios, também conhecido por guariba ou barbado, eles estão entre os maiores primatas encontrados na Ilha Grande, com comprimento de 30 a 75 centímetros. Sua pelagem varia de tons ruivos, ruivo acastanhados, castanho e castanho escuro. Ele são famosos por seus gritos, que podem ser ouvidos em toda a mata. De vez em quando, os gritos eram tão alto que até assustava!!!! Tinha também uns montes de côcô no percurso da trilha, com certeza eram eles marcando território…

Até ali, a trilha estava bem molhada, sempre caindo uns pingos d’água das árvores. A essa altura estava tudo muito encoberto e achava que não daria para fazer a via. Seguimos em frente e os cachorros também!!!! A trilha é bem marcada, porém não conseguimos ver nada em volta. A vegetação é muito densa e a gente caminha e caminha e não vê nada além de árvores…

Passamos por um bambuzal e mais a frente deu para ver a pedra, mas, rapidamente, ficou encoberta de novo. Pelo menos já dava para ver que estava chegando. Já estávamos bem alto e a trilha mais molhada. Passados alguns minutos, chegamos a placa onde indicava a base e a continuação da trilha até o cume. Chegamos à base do Pico do Papagaio com 2h35min, viemos num ritmo bom. Chegamos com 1 hora a menos que a média. E os cachorros??? Eles… É claro que estavam lá conosco!!!!!! Um até desceu rolando na pedra, mas não desistiu… Voltou e conseguiu subir!!!!!

Na base, paramos para descansar e nos preparamos para subir. Ainda não dava para ver muita coisa. Algumas  nuvens ao redor e o vento parecia estar aumentando. Com isso, o frio também veio! Coloquei o anorak, pois não sabia se iria piorar. Vi que tinha esquecido minha sapatilha, peguei a do meu irmão emprestada, ainda bem que dava em mim!!! Fui até mais acima e percebi que a via estava bastante molhada e suja. Ameacei subir para sentir a pedra e aproveitei meu irmão mais embaixo para desescalar um pedaço. Depois de alguns minutos o tempo foi abrindo e decidi subir de vez. Usar uma sapatilha diferente da que está acostumado, fez a diferença. Demorei mais que o normal… Mas venci o lance, costurei o primeiro grampo e fui tocando pra cima. Com algumas agarras quebrando, pedra úmida e muito suja, a subida ia ficando mais emocionante. Subi mais um pouco e costurei o segundo grampo. Ali, a umidade estava grande, tinha muito limo na pedra, era um lance de aderência e estava difícil. Peguei uma fita longa e “lacei o grampo”, tocando para cima, não poderia haver erros e não estava muito preocupado em “encadenar” a via.

Dei uma parada para analisar se daria para continuar, afinal de contas, não queria ficar passando perrengue a subida inteira. Nessa hora, o tempo abriu  e o sol veio com força. Foi preciso tirar o anorak. Fui subindo, costurei o quarto grampo e fui margeando a aresta. Veio o quinto grampo e o último. Olhei para cima, faltava o último lance. Agora era só subir… Fácil? Ah se fosse assim… Escorria tanta água que achei que não fosse conseguir, pensei até em descer… Parei um tempo e fui olhando as agarras e vi que tinha uma linha meio seca. E por ali eu fui. Subi bem devagar, ás vezes com o pé na água, mas como tinha bons apoios, deu para seguir. Até que no último lance, tive que segurar numa laca bem pequena, onde começou a escorrer um pouco de água pelo braço, aí foi prender a respiração e tocar para cima.

Estava dominado!!!!! O pior já tinha passado, agora era muito mais tranquilo… Armei a parada numa árvore e dei segurança ao Paulo que subiu rapidamente. Dali, ele foi me dando segurança, pois ainda tinha que passar pela frente de uma pedra e como estava tudo molhado, todo cuidado seria pouco. Fui caminhando, passei uma fita em outra árvore e fui segurando numas plantas que me deram apoio. Contornei a pedra e subi mais um pouco. Dei segurança de corpo ao Paulo e mais uma subidinha, estávamos no cume!!!!

Missão dada é missão cumprida!!!!! Lá de cima, a vista era fantástica. Um 360º da Ilha. Algumas nuvens ainda encobriam alguns lugares, mas já tínhamos uma noção da beleza. A sensação concluir o projeto é fantástica. Pode até ser simples, escolher o camping, horário de barco, previsão do tempo, equipamento para levar, incentivar as pessoas para te acompanhar, etc., e no final ver que tudo deu certo… Sem palavaras…. Para finalizar, ainda fizemos um rapel até a base, para poder pegar as coisas e ir embora.

E os cachorros????? Foram até lá em cima!!!! Você acha que eles iriam subir a trilha e não iriam fazer cume??? rs.  Eles estavam lá e só não desceram de rapel pois não tínhamos nenhum baudrier canino… rs. Voltamos até a base onde pegamos nossas coisas e nos preparamos para descer. Um dos cachorros acompanhou duas meninas que estavam meio perdidas na trilha e outro foi nos seguindo. Quase na placa onde a trilha se divide para o cume e para a base, tinha um cara que estava esperando a gente descer pois não encontrava o caminho de volta. Ele foi seguindo a gente até a nascente. Nós paramos para descansar e ele seguiu trilha abaixo.

Demos uma boa descansada, e continuamos a caminhar. Como era descida, as paradas foram menores e 1h55min depois, estávamos na estrada que vai para Dois Rios. Mais alguns minutinhos, e chegamos no camping. Aí foi só tomar banho e sair para almoçar.

No dia seguinte demos uma volta pelas praias próximas, pois tínhamos comprado a passagem do barco para as 13h. Pegamos o barco e nos despedimos de um excelente final de semana!

Até a próxima!!!!

aresta-do-xilindro aresta-do-xilindro-2 aresta-do-xilindro-3 aresta-do-xilindro-4 aresta-do-xilindro-5 aresta-do-xilindro-6 aresta-do-xilindro-7

Cuidados com o uso dos freios na escalada

Publicado no Boletim CNM MAR/2013

Há tempos que ouço muitas opiniões e defesas sobre um ou outro tipo de freio, ou ainda a maneira correta de se utilizar determinado equipamento. Como em diversos segmentos, os freios possuem diversos modelos, marcas, objetivos, etc. Objetivos? Sim objetivos! Na escalada pensamos no freio como um aparelho que além de controlar a descida, possamos utilizá-lo para dar segurança ao participante ou ao guia.

Os tipos de freio foram evoluindo a medida que o esporte também evoluiu. Nos primórdios, tanto a segurança, quanto o rapel, eram feitos com a corda passando pelo corpo, com o intuito de gerar o atrito suficiente para “segurar” a descida ou uma possível queda. A medida que os limites foram sendo superados, a necessidade de um sistema que fosse mais confi ável e que gerasse atrito suficiente, também cresceu. Surgiram as placas, o 8, os modelos tubo e os semi-automáticos, das mais variadas marcas.

Mas apesar da quantidade, qual é o melhor? O mais adequado? O mais confi ável? Pois é…. Lembra da primeira frase do texto? São essas as discussões que permeiam as listas de e-mails na internet. Não há unanimidade sobre o melhor equipamento. Existem correntes que preferem os mais simples, como o ATC, outras, os semiautomáticos, como o GRIGRI, mas em uma coisa há o consenso: de nada adianta um equipamento com toda a tecnologia se não o montamos ou o manuseamos de maneira correta.

E é aí que deve estar o foco principal da discussão. Não adianta, por exemplo, utilizarmos o GRIGRI na segurança, se deixarmos a corda frouxa o sufi ciente para que o guia ao cair, vá direto ao chão. Ou se utilizarmos o ATC e ficarmos distraído, conversando com o outro participante. A escalada é um esporte na qual um pequeno erro pode ser fatal, porém isso não o torna um esporte inseguro, mas um esporte onde o fator atenção seja tão importante quanto a técnica em superar um lance difícil.

Com isso, seguem algumas dicas importantes ao utilizar o freio:

  • Obedeça sistematicamente as instruções de uso do equipamento utilizado, seja ele qual for;
  • Verifique se o aparelho de freio serve também para a função de dar segurança;
    • Assegure-se de que o utilizador esteja preparado para manusear o equipamento;
  • Tenha atenção durante toda a escalada;
  • Mantenha a corda sempre esticada, até o limite para não atrapalhar o guia ou o participante, a fi m de evitar

uma queda que os levem a um platô, por exemplo, pois de nada adiantará o freio;

  • Mantenha a mão firme;
  • Por mais que o freio pareça automático, nunca retire as mãos ou desvie sua atenção do guia;
  • Não use um equipamento antes de treinar muito, simplesmente por que alguém falou que é mais seguro;
  • Nunca crie a sua maneira de utilizar o freio, mesmo que ela, aparentemente, otimize o desempenho.

Seja prudente e aventure-se!