Segundo dia do Tour du Mont Blanc – Parte 1

Dia 2 : Tour do Mont Blanc

Parte I

Plano: pegar a variante do Col de Fours até Ville des Glaciers, subir o Col de Seigne, passar pelo Refúgio Elisabetta, pelo Lac Combal, subir o Arp-Vieille supérieure  e seguir até o Col Chécrouit, para dormir no Refúgio Maison de Vieille.   Já chegamos bem próximo  a Courmayeur. Um dia longo,  com previsão de 9h40 de caminhada sem contar paradas, por mais de 21km.

Choveu  muito durante a noite, com raios, e nevou também, amanhecendo com muito vento e frio. O que me fez temer pelas condições de orientação no Col de Fours. Conversei com alguns guias locais e resolvi seguir o plano.

Saindo do Refúgio, subimos ao Col de La Croix  du Bonhomme, a 2479 mts, para tirar uma foto sem outros caminhantes e o vento forte estava terrivelmente frio. Se no dia anterior chegamos ali com muito calor, de bermuda e camisa dryfit, de manhã tivemos que colocar as roupas de frio. De madrugada, a mínima  foi -1 grau e mesmo depois de 8h estava fazendo  5 graus, mas com sensação térmica  de temperatura negativa.

Com as mãos congelando, começamos a subir para o Col des Fours às 8h12. Pouco à  frente já  encontramos algumas pessoas que desistiram e retornavam, mas continuamos a seguir o plano.

Quando chegamos  ao Col de Fours, a 2665 mts, vimos que a neve realmente tinha escondido a trilha e não  havia marcações para a descida do Col.   Conseguimos achar a trilha pouco abaixo e descemos até  Ville des Glaciers, com parada em banheiro público e na fazenda para experimentar e comprar o delicioso e perigoso queijo Beaufort. 😉

Depois de uma longa e dura subida, com vento contra, chegamos ao Col de la Seigne, a 2516 mts,  às 13h07.

 

Primeiro dia do Tour du Mont Blanc

Eu não tive acesso à internet ontem, só agora. Hoje foi nosso segundo dia. Mais longo do que normalmente se faz, por dificuldades que tive nas reservas nos.abrigos, mas foi sensacional. O trecho que fizemos hoje cobriu quase dois dias do roteiro clássico do Tour, foi sensacional. Amanhã farei o relato do dia 2.

Segue o relato so 1o dia:
Alvorecer no 1o dia do nosso Tour du Mont Blanc

Após a chegada em Chamonix com as nuvens cobrindo algumas montanhas, no dia 14 de julho amanhecemos com céu limpo. Vista surpreendente das montanhas nevadas e promessa de um belo domingo de sol.

O plano foi começarmos o Tour em Les Contamines Montjoie, em vez de Les Hoches, para podermos ficar no Refúgio de La Croix de Bonhomme, do Clube Alpino Francês . 14 de julho era única data possível para nós.

Assim, tomamos um trem de Chamonix, às 7h15, para Saint Gervais-Le Fayet e de lá um ônibus para Les Contamines.

Dia 1 Tour du Mont Blanc

Caminhamos pela vila de Les Contamines até a Capela de Notre Dame de La Gorge. Ao sair do asfalto, entramos em uma trilha larga e plana em meio a um parque, gastando 38 min até a Capela.

Ali encontramos uma sinalização de 4h até o Col de Bonhomme e de 4h50 até o Refúgio.

Saímos de La Gorge às 10h12 e chegamos no Col du Bonhomme às 13h38, com muitas paradas para fotos e um lanche, em La Balme, de 11h33 às 11h50, Lá encontramos uma estação com banheiro público e água potável, 50m metros antes do abrigo de La Balme. Um bom exemplo de estrutura de apoio para uma trilha de alta frequência. Este foi o último ponto de água até o refúgio.

Paramos para almoçar e apreciar a bela “visage” do Col.
Saímos de lá às 14h20 e chegamos no refúgio de La Croix du Bonhomme às 15h05, parando outras tantas vezes para fotos.

Gastamos no total 4h53, incluíndo todas as nossas paradas.

O tempo de caminhada da Capela de Notre Dame de La Gorge até o Refúgio foi de 3h52, mesmo com as muitas paradas para fotos.

Iniciamos ao 1030mts de altitude na vila de Les Contamines, atingindo 2329 mts no Col do Bonhomme e finalizando a 2479 mts no Col de La Croix du Bonhomme, e o refúgio a 2443mts.

Toda a sinalização se refere à tempo de caminhada e não a distância, mas caminhamos em torno de 14km.

O destaque do dia foi encontrarmos neve em alguns trechos, sendo um deles longo e logo abaixo do Col du Bonhomme, quase um “micro glaciar”, e também no próprio Col.

Por fim, tive a forte impressão de que este setor do Tour du Mont Blanc se assemelha à Trilha do Açu, no PNSO, na época da antiga Isabeloca, porém mais longo e com algumas partes de pouca inclinação intermediando as subidas.

A subida final para o Col do Bonhomme é bem parecida com a antiga Isabeloca até no estado de degradação de algumas partes. Há também um caminho quase reto, usado nas descidas.

Já o trecho do Col du Bonhomme para o refúgio tem o jeito do Chapadão: sobe, desce, sobe, desce, anda e anda, até subir para o mirante do Col de La Croix du Bonhomme e descer para o abrigo.

 

Seio da Mulher de Pedra

No último domingo (7jul), subimos o Seio da Mulher de Pedra (PETP). A ideia inicial era a Travessia Serra dos Órgãos, via Petrópolis – Teresópolis. Porém, a previsão de ventos muito fortes nos fez seguir para um “plano B”: um bate e volta no domingo (quando era esperada melhora do tempo).

A mulher de pedra, é uma curiosa formação rochosa no Parque Estadual dos Três Picos (RJ), nos limites da Cidade de Teresópolis, bairro de Vargem Grande. A peculiaridade desta montanha fica pelas morros independentes que quando vistos de certo ângulo da cidade formam o rosto de uma mulher e seu seio.

A caminhada até o cume (2040m alt.) é acessível por uma trilha, iniciando já em 1100m de altitude. Um misto de floresta, escalaminhada, lajetos, pontos com corda, apenas dois pontos de água no início e um “toca para cima” sem fim, em cerca de 6KM (ida) de um trekking considerado pesado.

Com isso fica o meu agradecimento pelas risadas, bate papo e aprendizados. Obrigado parceiros Leandro Do Carmo, Renato Teixeira e Marcelo Da Rocha Lopes do Niteroiense e aos amigos da Jornada Científica de Montanhismo Maria Fernanda May e Rafael Damiati por terem concedido a honra de guiá-los.

Foto: Marcelo da Rocha, João do Carmo e Leandro do Carmo.

CBM 2019 com matrículas abertas!!!!!

Curso Básico de Montanhismo

O Curso:

O CNM oferece o Curso Básico de Montanhismo (CBM) que consiste na capacitação do aluno em conhecer e saber aplicar práticas e procedimentos básicos de montanhismo (trilha, escalada, rapel, acampamento, planejamento de atividades etc…), através do ensino de técnicas básicas para que o praticante possa realizar a pratica do montanhismo com segurança, conhecimento e ética.

As aulas irão abranger os seguintes tópicos: História do montanhismo, Ética na montanha; Mínimo Impacto, Prevenção de acidentes; Animais peçonhentos; Orientação; Meteorologia; Excursionismo;  Apresentação de material técnico; camping (teoria e prática) ,Nós; Rapel; Técnicas de Escalada e aulas práticas de escalada.

O nosso CBM cumpre os requisitos necessários exigidos pela Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro – FEMERJ, encontrando-se atualmente em fase de homologação pela referida Entidade.

 

Programação:

O CBM consiste em 25 aulas (sendo 12 teóricas e 13 práticas). Sendo que as aulas teóricas ocorrem nas segundas e quintas feira na sede do CNM e as aulas práticas ocorrem em finais de semana.

Cada Turma terá um calendário pré-estabelecido, mas suas datas podem ser alteradas em função da previsão do tempo ou de algum contratempo não previsto ou se previamente combinado com todos os participantes.

Na maioria das vezes as aulas práticas ocorrem em Niterói, porém, algumas delas podem ocorrer no Rio de Janeiro ou na região serrana fluminense.

 

Custo

O curso tem um custo de R$ 990,00 a vista ou pode ser parcelado em até 12 vezes com juros pelo PagSeguros.

A confirmação da reserva da sua vaga será feita mediante o pagamento do curso no site. Mas se por um acaso, você tenha feito o pagamento da reserva e o curso não ocorra, devolveremos imediatamente o que foi pago.

 

Vagas

Cada turma terá um mínimo de 6 e máximo de 12 alunos

 

Pacote

Ao se inscrever no curso, além das aulas, o aluno terá direito a:

1 – Uma semestralidade de associado do CNM;

2 – Uma camisa de algodão do CNM;

3 – Apostila com o conteúdo que será visto no curso;

4 – Empréstimo de Kit básico para as aulas de escalada (Capacete, cadeirinha, mosquetões, cordeletes, fitas e freio atc) – Exceto Sapatilha. OBS: O aluno deverá adquirir sapatilha antes do início das aulas práticas de escalada. No decorrer do curso serão prestadas orientações a respeito da sapatilha.

Obs: Equipamentos de camping (barraca, saco de dormir, isolante térmico etc,..) e caminhada não são fornecidos pelo CNM.

 

Pré-requisitos

Qualquer pessoa que esteja apto para a prática de esportes, possuindo atestado médico neste sentido, está habilitada para fazer o curso, lembrando que não é necessário ser membro do clube para participar.

A idade mínima para participar do curso é 18 anos.

Quanto ao material, nós iremos informar o que é necessário na primeira aula.

 

Para realizar sua inscrição no CBM:

1 – Ler a ficha de inscrição disponível no link abaixo. Esta ficha funciona como o contrato do curso e tem informações importantes;

2 – Após ler e concordar com os termos apresentados na ficha de inscrição : Fazer a compra do curso  (Clique aqui para acessar o curso na loja);

3 – Inscrever-se no site do clube (ícone no canto superior direito da tela “inscreva-se”);

4 – Enviar email para cnm@niteroiense.org.br informando que realizou a compra do curso e já se inscreveu no site, bem como enviar cópia digitalizada da  Ficha de Inscrição do CBM e do Termo de Responsabilidade de Riscos devidamente preenchidos e assinados. Estes documentos estão disponíveis nos links abaixo e suas vias originais deverão ser entregues em conjunto com o atestado médico na primeira aula do CBM.

Ficha de Inscrição do CBM

Termo de Responsabilidade de Risco CNM

Próxima Turma

A próxima turma tem início previsto para o mês de agosto de 2019, com previsão de término em novembro de 2019.

 

Horário das Aulas

As aulas teóricas serão realizadas na sede do CNM no horário de 19:30 às 21:45. Quanto as aulas práticas os horários das aulas irão variar de acordo com a atividade do dia, podendo durar meio dia ou o dia inteiro (a previsão é que a maioria das aulas durem de 7:30 às 15:00 horas). Obs: Haverá um pernoite quando da realização das aulas de camping.

 

Política de Cancelamento

1- No cancelamento até 15 dias antes do início das aulas será devolvido o valor de 100% do valor do curso.

2- No cancelamento compreendido no período de 14 dias até o início das aulas somente será devolvido 80% do valor do curso.

3- No cancelamento realizado após o início do curso será devolvido 70% do valor do curso, abatendo-se destes 70% o valor de R$70,00 (setenta reais) por aula ministrada até o dia da solicitação do cancelamento, não importando nesse caso se o aluno tenha efetivamente comparecido ou não as aulas haja vista que estas estavam a sua disposição.

4- Eventual pedido de cancelamento deverá ser encaminhado por email para cnm@niteroiense.org.br

 

Cronograma das aulas do CBM que terá início em 06/08/2018.

Obs: Os locais de aula poderão sofrer alterações 

Data Dia da Semana Aula Local
05/08/2019 2ª feira Aula Teórica 1: Apresentação do Clube / Introdução ao Montanhismo / Mínimo Impacto / Ética do Montanhismo Sede CNM
08/08/2019 5ª feira Aula Teórica 2: Materiais e Equipamentos Sede CNM
12/08/2019 2ª Feira Aula Teórica 3: Técnicas de Caminhada Sede CNM
15/08/2019 5ª feira Aula Teórica 4:Orientação Sede CNM
17/08/2019 Sábado Aula Prática 1: Manejo de Trilha  Parnit / Peset
18/08/2019 Domingo Aula Prática 2: Prática de Orientação Parnit
19/08/201922/08/2019 2ª Feira5ª Feira Aula Teórica 5: NutriçãoAula Teórica 5: Animais Peçonhentos Sede CNMSede CNM
24/08/2019 Sábado Aula Prática 3: Técnicas de Acampamento e Bivaque Parnit
25/08/2019 Domingo Aula Prática 4 : Trilha Longa Local a definir
29/08/2019 5ª Feira Aula Teórica 6: Meteorologia Básica Sede CNM
31/08/2019 Sábado Aula Prática 5 : Trekking (caminhada com pernoite em acampamento) Friburgo, Teresópolis ou Petrópolis
01/09/2019 Domingo Aula Prática 6 : Trekking (caminhada com pernoite em acampamento) Friburgo, Teresópolis ou Petrópolis
05/09/2019 Quinta Aula Teórica 8: Prevenção de Acidentes Sede CNM
07/09/2019 Sábado Aula Prática: Eventual Reposição
08/09/2019 Domingo Aula Prática: Eventual Reposição
09/09/2019 2ª Feira Aula Teórica 9: Materiais e Equipamentos II Sede CNM
12/09/2019 5ª Feira Aula Teórica 10: Técnicas de Escalada Sede CNM
14/09/2019 Sábado Aula Prática 7: Top Rope / Ascensão Itacoatiara
15/09/2019 Domingo Aula Prática 8: Rapel Itacoatiara
19/09/2019 5ª Feira Aula Teórica 11: Nós Sede CNM
21/09/2019 Sábado Aula Prática 9: Chaminé / Artificial Parnit
22/09/2019 Domingo Aula Prática 10: Aderência e Treino de Queda Enseada do Bananal / PESET
26/09/2019 5ª Feira Aula Teórica 12: Prova de Nós Sede CNM
28/09/2019 Sábado Aula Prática 11-A: Escalada Sem Rapel T1 Itacoatiara
29/09/2019 Domingo Aula Prática 11-B: Escalada Sem Rapel T2 Itacoatiara
03/10/2019 5ª Feira Aula Teórica: Eventual Reposição Sede CNM
05/10/2019 Sábado Aula Prática 12-A: Escalada Com Rapel T1 Via G. do Cartão
06/10/2019 Domingo Aula Prática 12-B: Escalada Com Rapel T2 Via G. do Cartão
12/10/2019 Sábado ________________
13/10/2019 Domingo ________________
19/10/2019 Sábado Aula Prática 13-A: Escalada Longa T1  Urca / Peset
20/10/2019 Domingo Aula Prática 13-B: Escalada Longa T2 Urca / Peset
26/10/2019 Sábado Aula Prática 13-C: Escalada Longa T3 Urca / Peset
27/10/2019 Domingo Aula Prática: Eventual Reposição
02/11/2019 Sábado Aula Prática: Eventual Reposição
03/11/2019 Domingo Aula Prática: Eventual Reposição

Pedra do Desengano, Santa Maria Madalena

No terceiro dia de atividade em Madalena, subimos a Pedra do Desengano. A partir do pórtico de entrada, na estradinha em Terras Frias, foram aproximadamente 5km, com subidas íngremes e trechos escorregadios até a porteira mais próxima da entrada da trilha.
Desta vez, consegui passar com meu carro, que não é 4×4, do ponto que travamos na atividade exploratória de novembro de 2018, que fica algumas curvas acima da entrada para a Cachoeira da Cascata. Era uma rampa longa, com trilho de cimento, desta vez seco, mas com curvas acentuadas e inclinação invertida em relação à direção da curva.

Alegria no carro, compartilhada com o Ivison, que dividiu comigo a angústia e a luta para tirar o carro em 2018.  Só que a alegria durou pouco: no trecho seguinte a pickup do Leandro, que ia na frente, patinou e tiveram que tentar 3 vezes até passar em outra rampa, mais inclinada e molhada. Deixamos o meu carro e seguimos na pickup do Leandro.  Foram mais 2km, provavelmente, até a porteira que dá acesso à entrada da trilha e à Estalagem Morumbeca.
Definitivamente, só de 4×4 e de preferência em tempo seco.

Caminhada de nível moderada superior, não muito longa, em torno de 4 km somente para ida e com ganho de elevação em torno de 700m. Fizemos em 3h, em ritmo de moderado a lento e pegando os trechos de costão molhados. O tempo indicado no guia do Parque Estadual do Desengano é de 4h, para grupos de modo geral. O tempo estava fechado no cume com nuvens baixas, sem visibilidade.

 

 

Na volta, paramos para ver a linha da via de escalada Amigos da Onça, no Morro da Represa, que seria uma opção para o dia seguinte. Entretanto, amanheceu com uma leve chuva. Isto somado ao cansaço acumulado e a perspectiva de uma longa e engarrafada viagem de volta nos fez deixar esta via para a próxima incursão à Madalena.

 

 

Nesta parada, na ponte da parte de cima da represa de Tudelândia, passaram por nós os carros com o Blanco, Tatiana, Sandro, Suzana, Sara e as crianças que foram escalar no Fazenda da Barra do Peixe. Diversão também para as crianças, atravessando riacho pelas pedras, subindo um pequeno pasto e brincando na parede.

É a menina ou é a montanha que sorri?

@ Santa Maria Madalena, Rio de Janeiro
@clubeniteroiensedemontanhismo

Morro da Barra da Peixe, Santa Maria Madalena

Fazenda Barra do Peixe, Santa Maria Madalena, Via Na Natureza Selvagem,
D1 3 IIIsup E3 190mts, conquista de Felipe Dallorto e Flavia dos Anjos –
Com Mauro Mello, Ivison Rubim, Sandro Costa e Suzana Hecksher @ Santa Maria Madalena, Rio de Janeiro

No segundo dia em Madalena, fizemos uma atividade mais leve, escalando na Pedra da Barra do Peixe. Via com um lindo diedro, muito bom de fazer, encaixando o pé na maior parte dele. Alguns lances expostos e muitas lacas soltas.
O vento virou e trouxe um spray de chuva, com ameaça de mudança no clima, e decidimos descer quando tínhamos subido em torno de 130mts e a pedra já ficava mais positiva.

Há outras duas vias nesta mesma parede: Big Hard Sun, D1 3 IIIsup E3 190mts, que fizemos uma parte na atividade exploratória em novembro de 2018, e Noite sem Fim,  D1 2 V E2 180mts.

 

 

Pedra Dubois, em Santa Maria Madalena: Escalada e Trilha

Pedra Dubois

Escalada na Via Reino Mágico D4 4 V E3 1035mts (Felipe Dallorto, Flavia dos Anjos e Claudney Neves) e Trilha

http://www.carioca.org.br/croqui/croqui-cec.psp?0598

Partimos de NIterói às 4h, passamos na pousada Colônia de Férias da Asperj às 8h para deixar as coisas e, Blanco, Leandro do Carmo, Mauro Mello e eu, partimos para a base da Via Reino Mágico.

A Via Reino Mágico foi conquistada por Felipe Dallorto, Flavia dos Anjos e Claudney Neves.  Este foi meu retorno depois de quase 7 anos. Lembranças boas que renderam uma atividade preparatória em novembro de 2018 para a atividade deste dia.

 

 

 

 

Entramos na “trilha” para a base da via às 9h. Caminho fechado, mato alto. Definitivamente, foi o crux da via! Às 9h50 começamos a escalar. Ivison, Sandro, Simone e Suzana foram um pouco mais tarde e começaram a trilha às 10h50.

Base da via

Base da via 

 

Fizemos os primeiros esticões da via, 540mts de costões, em 1h10 e finalizamos a via Reino Mágico às 15h, totalizando 5h para as duas cordadas, com o primeiro chegando em 4h10. Melhor do que prevíamos. O grupo que seguiu pela trilha, com calma, levou 2h40 para chegar ao cume e nos aguardaram para a descida. O Ivison e o Sandro foram nos encontrar no final da via, caminho que o Ivison conheceu na atividade exploratória/preparatória que fizemos em novembro de 2018. Começamos a descer às 15h30 e chegamos na entrada da Fazenda Diboá às 17h10. Excelente dia.
#clubeniteroiensedemontanhismo

Escalada no Vale das Sebastianas, Frades, Teresópolis

Fizemos duas vias do Josemar Sechin (Mazinho), Marcio Torres (Preá) e João Silva Rocha:
Castelo de Cartas D1 3 IV E4 390mts
e Safenado D2 4 V A0/VIIIa E4 330mts.

Atividade interclubes CNM e CET, com a participação de dois dos conquistadores das vias, Mazinho e João Rocha.
Saímos de Niterói às 5h30, fazendo uma parada para um café e encontrarmos os amigos do CET José Henrique Gomes Soares, José Carlos Motta Ramos e João Silva Rocha, em Albuquerque, Teresópolis. Mazinho, Leonardo de Magalhães (Leo) e Gabriel, do CEL, amigo do Leo, nos esperaram já na entrada da Fazenda.

Foram 4 cordadas na Castelo de Cartas (Leo e Gabriel, José Henrique e Vander Silva, José Carlos e João, e Ary Carlos e Taffarel ) e 2 cordadas na Safenado (Mazinho e Guilherme Gregory Guilherme, e Marcelo Correa e Leandro Do Carmo). O Leo e o Gabriel, após rapelaram da Castelo de Cartas, ainda fizeram até a P3 da Safenado.

As duas vias com lances de aderência com proteções distantes. A Castelo de Cartas com sequências mais tranquilas e a Safenado com lances delicados de aderência na chegada da P2 e da P3, este último mais protegido. Trechos de aderência sujos e expostos antes e pouco depois da P4. Bem protegida ou com boas opções de proteção em móvel em um lance de domínio após um pequeno diedro “cego” e no teto antes da P6. Linda via e visual fantástico.
Agradecemos aos amigos do CET, ao Mazinho, João e Leo, pelo dia sensacional.

https://www.escaladas.com.br/via/id/434/Safenado

https://www.escaladas.com.br/via/…/432/Castelo%20de%20Cartas

#clubeniteroiensedemontanhismo
#cet.teresopolis
#escalada @ Teresópolis, Brazil

Travessia da Neblina + Mirante do Inferno + São Pedro

Travessia da Neblina + Mirante do Inferno + São Pedro

18km ida e volta a partir da barragem + 2km dos trechos ida e volta ao estacionamento, 1267 de ganho de elevação, 13kg nas costas, 2 trechos de escalada e 1 de costão. Paisagens sensacionais, amigos e muita ralação. Excelente dia!

Iniciamos na barragem às 7h27,
pegamos a trilha para o Nariz do Frade/Verruga do Frade na altura do antigo abrigo 2, subindo pelo Paredão Roy-Roy. Atingimos base do Nariz do Frade/Verruga e subimos o costão para o Queixo do Frade, e rumamos para o Morro da Cruz. Visuais alucinantes, pedras, nuvens, florestas, subida forte e encantamento.

Cruzamos o Vale da Orquídeas até a base do Mirante do Inferno. Vista sensacional da Agulha do Diabo, a mais bela. Tomamos uma pequena trilha para direita em direção ao contraforte do Morro de São Pedro e fizemos um trecho de aproximadamente 80 metros de escalada, que dividimos em 3 esticões, por estarmos em duas cordadas triplas. Vendo de cima o mirante do Inferno e a Agulha de lado, seguimos para o cume do Morro de São Pedro por uma trilha muito fechada, quase um vara mato.

Chegamos no São Pedro nos últimos minutos de claridade, vendo a Agulha de cima. Seguimos para o Abrigo 4, passando pela Pedra Baleia. Descemos até a Cota 2000 e passando ao lado do Morro da Cruz, pelo Paredão Paraguaio, com raios iluminando o céu. Tomamos um pouco de chuva a partir do zig-zag após a Cachoeira do Papel e chegamos de volta à barragem entre 22h05 e 22h20. Praticamente 15h de atividade, com muita paradas para contemplação e descanso. Grande dia!
#clubecnm

Cordada CNM CET no Morro dos Cabritos

Cordada CNM CET no Morro dos Cabritos

Via Mario Arnaud, D3 5 VI A1 E1, Morro dos Cabritos, Vale dos Frades, Teresópolis

Voltei 8 anos depois. Deixamos o carro às 6h20, chegamos na base às 7h. Começamos a escalar às 7h30. Fomos à francesa até a P6, alternando escalada da P1 até a P3, 3 e 4 de aderência, caminhada até a P4, escalada, caminhada e escalada da P4 até a P8.

Do meio da P6 até a P8 escalada de aderência e micro agarras escondidas por líquens, com lances de IV, com Leandrinho do CET, tio do Vinicius CNM, no meio e Blanco seguindo à francesa, usando só metade da segunda corda. Chegamos na P8 às 9h30. Blanco guiou a horizontal, com final difícil, seguida do diedro, de 3o sup, com o inicio para dedos pequenos, quase cego . Foi até o grampo abaixo da P9. Com grampo no início, o Blanco só colocou um camalot 0.5 em 10m de diedro. Disse que do meio para cima era mais fácil, onde realmente foi IIIsup. Eu tb já achava o início mais forte. Leandrinho e eu, subimos com segurança de cima.

Da P9 até a P12, voltei a guiar fazendo em cada esticão o sistema de guiar chegar na parada e os dois virem juntos, com Blanco subindo à francesa. Vento forte desde a P6. Difícil de manter a postura típica de aderência nas rajadas de vento. Parava e colava o corpo, e 4o grau de aderência/micro agarras comendo solto. Isto nos atrasou. Era quase assim: alguém gritava – Marcelo, o vento diminuiu, vai rápido! Caminhada em terreno sensível da P12 para P13.

Chegamos na base do A1 às 12h10. Guiei a parte vertical do A1, passando pela aquela saída delicada, Blanco a segunda parte. E para minha imensa alegria consegui guiar, gemendo, a 14a enfiada: uma sequência com os 3 lances mais duros da via: uma aderência de IVsup, V em agarrinhas e um diedro com lance de VI. Só não consegui subir no diedro em livre ????, tive que puxar na costura, pé molhado. Em cima do diedro o último lance em micro agarras, deve ter dado um VI tb.

Chegamos na 15a parada às 15h05. Foram 7h35min de escalada, sofrimento com o vento e felicidade pura no final. Caminhada até o cume. Descemos às 15h50. Após sequência de rapeis entremeados por caminhadas, chegamos de volta à base às 19h10 – total de 11h40min de jornada na via. @ Vale Dos Frades