Conquista da Via Paredão Alan Marra

Durante a conquista da via Novos Horizontes, que fica no Costão de Itacoatiara, percebi que mais pra esquerda, na mesma parede, havia um lindo diedro lá no alto já quase no cume. Percebi também que havia uma clara linha limpa para chegar até ele.

Repetindo a Novos Horizontes com meu amigo Maurinho mostrei este diedro a ele e sugeri que começássemos uma conquista ali e ele aceitou na hora. No fim-de-semana seguinte, dia 19/11/2006, iniciamos a conquista que resultou numa belíssima via.

1ª INVESTIDA – Fomos pra parede umas 15:00h, pois na parte da tarde aquela face fica na sombra. A nossa amiga Mariana Pardal nos acompanhou nesta investida.

Comecei a conquista protegendo com um nut grande um degrau que fica a uns 6m da base e é acessado facilmente, passei este degrau e segui em diagonal pra direita onde coloquei o primeiro grampo da via. A via já me encantou de cara pq este lance do degrau é muito maneiro, o visual daquela face é lindo e eu estava ansioso por chegarmos no grande diedro que estava uns 200m acima de nós.

O Maurinho subiu e colocou um segundo grampo na via uns 15m acima. Hoje, já intermediado, ele passou a ser o terceiro grampo. Subi mais um pouco e coloquei mais um grampo. Maurinho novamente tomou a frente e colocou-se a conquistar. Naquele momento ele decidiu fazer uma horizontal pra direita e assim o fez, colocando um grampo a uns 10m. Neste momento já estava escuro e começou a chuviscar. Como Mauro não tinha muita experiência em bater grampos subi para ajudá-lo a terminar o furo, pois fiquei com medo de desabar água e ele ficar em apuros.

Por sorte acabamos o furo e colocamos o grampo antes de chegar a chuva. Aí foi só rapelar. Conquistamos neste dia aproximadamente 60m de via.

2ª INVESTIDA – Por volta de 14hrs guiei os lances que já tínhamos feito e parei no penúltimo grampo que havíamos batido quando a corda acabou. Chamei o Maurinho que seguiu pro grampo que ele havia batido em horizontal a partir dali. Ele subiu reto pra cima pra bater mais um grampo e viu que a parede a partir dali ficava bem positiva e os lances bem fáceis. Ele praticamente esticou a corda toda antes de bater o grampo. Nesta hora a Beatriz Fernandes, com quem eu namorava na época, apareceu na base e eu rapelei para buscá-la. Ela escalou até onde estávamos e nos acompanhou até o final desta investida. Batido este grampo o Mauro me chamou e eu subi mais uns 40m antes de bater o próximo grampo. Para melhor proteger este lance que conquistei coloquei mais 2 grampos abaixo. Enquanto eu intermediava estes lances o Mauro tentava acrescentar mais um grampo abaixo mas ele por descuido pegou uma parte mais dura da rocha o que fez ele ter que fazer muito mais esforço para fazer o furo. Pra piorar na hora de bater o grampo o danado não entrou todo, ficando bastante pra fora. Demo-nos por satisfeitos neste dia e rapelamos com aprox + 100m de via conquistados.

3ª INVESTIDA – Neste dia tivemos a companhia da nossa amiga Silvia Batalha. Fomos umas 14hrs com o objetivo de sair por cima já neste dia e assim fizemos, porém acabamos não acrescentando nenhum grampo a via. Subimos os 3 em “estilo alpino” com segurança de ombro em platôs e proteções em bicos de pedra, arbustos e móveis. No grande diedro ficamos um pouco decepcionados por ele ser muito sujo, com muito mato e cactos. O Mauro o guiou e protegeu com 3 friends médios, mas decidimos que a via não iria passar por ali, decidimos contorná-lo pela parte mais limpa onde infelizmente não dá pra proteger em móvel e deixar o diedro como uma variante. Ficamos muito felizes por sair por cima, mas sabíamos que íamos precisar voltar para colocar os grampos nos 150m que escalamos sem proteger.

– Como vimos que a via ficou com uma graduação baixa, III no geral, decidimos deixá-la bem protegida para que tivesse bastantes repetições, mas para isso precisaríamos acrescentar mais uns 10 grampos a via. Consegui com meu amigo Dayvisson uma furadeira emprestada e marquei com Maurinho de irmos lá acabar nosso projeto que já estava há meses abandonado. Sábado, 23/06/2007 fomos então para a investida final. Desta vez iniciamos cedo, 8h já estávamos na base decididos a de qualquer maneira acabarmos a conquista naquele dia.

A escalada foi tranqüila, o difícil foi arrumar posição para carregarmos a furadeira já que não éramos acostumados com este tipo de equipamento. Colocamos os grampos que faltavam, no último grampo a bateria da furadeira acabou e tivemos que acabar o furo batendo direto na broca. Por sorte deu certo.

Bem… Gostamos muito do resultado final. Ficou uma via bonita, fácil e gostosa.

Ficamos muito felizes em homenagear nosso amigo Alan Marra colocando o nome dele nesta conquista. O Alan, além de uma grande pessoa, é escalador, ciclista e amante das montanhas.

Grande abraço e boas escaladas,

Leandro Pestana

Comentários